User:Raltseye/Squid Sisters Stories/pt

From Inkipedia, the Splatoon wiki


Introduction

Lembras-te da Callie e Marie, de Splatoon? As famosas Squid Sisters não são avistadas desde o último Splatfest e, intrigado com este desaparecimento, o Laboratório de Investigação de Moluscos decidiu partir à descoberta...

Um dos investigadores intercetou este relatório ultrassecreto do universo Inkling.

Vejamos... O quê? Mas o que vem a ser isto?

Prólogo

Já passaram cerca de nove meses desde o último Splatfest.

A noite desce sobre a Inkopolis. Os sinais luminosos revestem a praça de tons verde e cor-de-rosa. As Squid Sisters dançam, como se estivessem a ser levadas pelo desejo de lutar pela conquista de território.

Memórias como esta permanecem vívidas na minha mente, mas, por outro lado, são resquícios de um passado há muito esquecido.

Aconteceu na noite em que decorreu o último Splatfest.

O confronto que opôs a Callie e a Marie terminou em vitória para a última, mas entre as duas não ficaram ressentimentos. As raparigas foram vistas a deixar o estúdio de braço dado, felizes, a sorrirem como sempre. A relação forte que as une continuaria por muitos e bons anos.

Ou assim parecia na altura...

Capítulo 1

O último Splatfest elevou a popularidade das Squid Sisters a alturas inimagináveis. De um momento para o outro, passaram de meros ídolos da Inkopolis às maiores estrelas da sociedade Inkling e os seus dias são agora preenchidos pelos deveres da fama.

A Callie e a Marie continuavam a residir no primeiro apartamento que arrendaram quando se mudaram para a Inkopolis. Após a sua chegada, tudo decorreu naturalmente: o facto de partilharem casa tornou mais fácil a adaptação à vida na grande cidade e, além disso, desde pequenas que eram inseparáveis. Mas mesmo depois de as suas finanças terem estabilizado e de se terem acostumado à azáfama da Inkopolis, nunca pensaram em viver sozinhas.

Estavam sempre juntas, tanto no trabalho como fora dele. Mas depois do lançamento dos seus primeiros trabalhos a solo, a sua vida profissional exigente começou a separá-las, o que foi criando um distanciamento. Callie, fiel à sua natureza extrovertida, era agora convidada frequente em espetáculos de variedades e as filmagens estendiam-se até longas horas da noite, sendo que muitas das vezes nem regressava a casa sequer.

A sua gravação "Tide Goes Out" foi alvo das melhores críticas por parte da imprensa e também ela era agora convidada assídua em programas de música. Ademais, começou a fazer cada vez mais espetáculos a solo. Até a esta altura, quer durante o dia quer durante a noite, em casa, as duas estavam sempre juntas. Agora, porém, as suas vidas profissionais agitadas ditavam que passariam a não se ver tanto.

A cada dia que passava, a distância entre a Callie e a Marie aumentava...

Capítulo 2

A Marie estava sozinha em casa. Tinha o dia de folga, mas uma vez que os ensaios do teatro começariam já no mês seguinte, sabia que a sua vida não tardaria a voltar ao habitual ritmo rápido. As oportunidades de relaxar em casa desta forma tornar-se-iam cada vez mais escassas e sabendo que o trabalho iria manter a Callie ocupada até tarde, enquanto esperava que a sua amiga regressasse a casa, começou a tratar das tarefas que pareciam acumular-se.

Em alturas como esta, a Marie começava a pensar e a analisar as coisas...

"Como se sentira verdadeiramente a Callie quando os resultados do Splatfest final foram anunciados? Pareceu-me desiludida, mas essa é uma reação natural quando se perde...certo? Ou será que ficou mesmo com inveja da minha popularidade? Será que ao fim deste tempo todo ainda guarda rancor?"

"Pensa bem no que estás a dizer, Marie. Parece-me que estás a exagerar. Sabes que a Callie jamais albergaria esse tipo de sentimentos. Talvez toda esta preocupação tenha acabado por dar-te um complexo de superioridade. Talvez ganhar aquele Splatfest final te tenha deixado o ego inchado."

Esta ideia provocou na Marie um sentimento de vergonha de si própria...

Capítulo 3

Um dia, a Callie foi acordada pelo telefonema do seu agente a informá-la que a sessão de gravação que havia marcado para o dia fora adiada pois outro artista tinha de usar o estúdio. Ainda que um pouco transtornada face a esta mudança de planos repentina, a Callie decidiu tirar o maior proveito da situação.

Olhando em volta no seu apartamento, não viu sinais da Marie, o que achou estranho, pois estava certa de que também ela tinha o dia de folga. O relógio marcava oito horas e era cedo para a Marie ter já saído para fazer compras, pelo que a Callie decidiu vestir-se e ir à procura da sua amiga. Agora que pensava nisso, recentemente a Marie tinha adotado um ar mais sombrio, como se algo estivesse a preocupá-la e ela não pudesse falar sobre isso.

Talvez estivesse apenas cansada devido ao trabalho intenso. Ou talvez tenha acontecido algo que a perturbou.

"Mas preocupar-me com ela todo o dia não vai resolver nada", pensou a Callie.

Devido ao trabalho, ultimamente mal tinha tempo para respirar e ela própria não estava nas melhores condições. Decidiu tentar encontrar a Marie e convidá-la para passarem um dia relaxado juntas.

A Callie encontrou-se com a Marie e o Crusty Sean num restaurante. Talvez porque as cidades onde os três haviam nascido e crescido eram tão próximas, ambas consideravam o Sean uma companhia agradável. Quando se mudaram para a cidade, a Marie era um pouco tímida e a Callie não conseguia lembrar-se da última vez que vira a Marie tão animada com alguém para além dela própria. Como não queria perturbar o convívio, regressou ao seu apartamento sozinha.

Quando a Marie chegou a casa, a Callie estava a fazer o pequeno-almoço. A Marie ficou surpreendida por ver a Callie já acordada, mas cumprimentou-a como se nada fosse.

"Bom dia."

"Bom dia."

A mesma Marie de sempre, pensou a Callie. Enquanto comiam, a Callie convidou a Marie para irem às compras e esta aceitou de bom grado.

Capítulo 4

Há muito tempo que a Callie e a Marie não visitavam o centro comercial Arowana nos seus tempos livres. Uma vez lá, percorreram novas lojas, a par de algumas das suas preferidas, usufruindo do prazer de um passeio acompanhado de compras. Depois de visitarem todos os locais onde precisavam de ir, decidiram parar num restaurante para comer algo.

Em alturas como esta, o assunto incidia naturalmente sobre o trabalho que as ocupava nos últimos tempos, pelo que trocavam histórias de ocorrências no local de trabalho e mexericos sobre os seus colegas. Ambas se preocupavam uma com a outra, mas nenhuma delas queria tornar o ambiente pesado ao entrar em conversas sérias. A Callie decidiu mencionar que nessa manhã vira a Marie no café. Esta parecera ter sido apanhada de surpresa, mas começou a falar sobre o seu encontro com o Crusty Sean sem quaisquer reservas.

Parece que o Sean tinha acabado de deixar o seu emprego na Shrimp Kicks, onde ocupara o cargo de gerente de loja durante três anos. O seu sonho sempre fora abrir o seu próprio negócio e quando um amigo lhe apresentou uma oportunidade, o Sean aproveitou-a sem pensar duas vezes. "Espero que corra tudo bem", disse a Marie de forma sentida, a que acrescentou: "Ele sempre foi um pouco impulsivo".

De acordo com o Crusty Sean, a Annie também andava à procura de um novo emprego. Verdade seja dita, ela nunca fora muito dada a contacto com pessoas e sentira que havia dado o seu melhor no mundo das vendas. Recentemente mantinha-se ocupada a ajudar a decorar armas na Ammo Knights e quanto mais o fazia, mais sentia que este trabalho que requeria uma enorme atenção ao detalhe se adequava perfeitamente a ela.

"Achas que a Annie e o Sheldon...?!", deixou escapar a Callie, com entusiasmo. Para a Marie, essa era uma hipótese muito remota. Parece que o Sheldon estava, ele próprio, ocupado com os planos de expansão da Ammo Knights. A sua intenção era abrir uma segunda loja na parte da cidade que estava rapidamente a tornar-se popular para Turf Wars. "Aquele Sheldon sempre teve olho para o negócio", concordaram as amigas.

Entretanto, o Cap'n Cuttlefish passou a ser o tema da conversa, já que nenhuma das duas o havia visto ultimamente. Era verdade que andavam as duas demasiado ocupadas para o visitarem, mas há algum tempo que não viam a sua cabeça a espreitar pela sua famosa portinhola na Inkopolis. Na verdade, não havia causa para preocupação agora que os Octarians eram inofensivos e pensar no seu avô fazia-as rir. Mais cedo ou mais tarde, o velhote haveria de aparecer.

Perdidas na tagarelice, o tempo foi passando e quando deram por isso, o sol já estava a nascer. À ida para casa, a Callie e a Marie lembravam-se de como era sempre tão divertido quando estavam juntas. "Divertido" não é, porém, a melhor palavra para descrevê-lo, pois era mais do que isso – era algo de especial que enchia os seus corações.

Era como se as nuvens que se tinham formado sobre elas se tivessem subitamente dissipado...

Capítulo 5

A Marie estava a colocar roupas na sua mala de viagem, pois preparava-se para uma visita a casa, no Calamari County. A viagem havia sido planeada em cima da hora depois de saber, de repente, que teria três dias de folga: coisa rara nos tempos que corriam! Os ensaios para o seu novo espetáculo começariam logo após esta pausa e ela sabia que tardaria até que voltasse a ter tempo livre. Além disso, o seu gerente sugeriu que um pouco de descanso lhe faria bem.

A Marie convidara a Callie para ir com ela, mas esta não podia devido a um compromisso inadiável. Assim, a Marie decidiu partir imediatamente sozinha de forma a não desperdiçar mais tempo das suas curtas férias. A Callie despediu-se dela na estação, prometendo-lhe que iria ter com ela no dia seguinte. O comboio até Calamari County demora três horas e meia a partir da Inkopolis, o que, bem vistas as coisas, não implica uma viagem épica. Ainda assim, sem a Callie do seu lado, a Marie sentia-se sozinha e cada minuto lhe parecia uma hora.

A Marie convidara a Callie para ir com ela, mas esta não podia devido a um compromisso inadiável. Assim, a Marie decidiu partir imediatamente sozinha de forma a não desperdiçar mais tempo das suas curtas férias. A Callie despediu-se na estação, prometendo-lhe que iria ter com ela no dia seguinte. O comboio até Calamari County demora três horas e meia a partir de Inkopolis, o que, bem vistas as coisas, não implica uma viagem épica. Ainda assim, sem a Callie do seu lado, a Marie sentia-se sozinha e cada minuto lhe parecia uma hora.

Enquanto a Marie falava, os seus pais iam-na interrompendo com perguntas sobre a Callie. A Marie respondia sempre que sim, claro, a Callie estava ótima. Mas cada vez que mencionavam a Callie, ela estremecia no seu íntimo, como se estivesse a ser picada por uma agulha.

"Neste momento andamos as duas bastante ocupadas com o nosso trabalho. É só isso."

Sempre que tentava responder às questões dos seus pais de forma descontraída e desafetada, apercebia-se de que, na verdade, não sabia de todo como a Callie estava.

Mas lembrou-se então que a Callie se juntaria a ela já no dia seguinte e sabia que depois de olhar para ela, os sentimentos de culpa que a assaltavam desapareceriam. A Marie foi dormir e esperou pela manhã...

Capítulo 6

No dia seguinte, ansiosa pela chegada da Callie, a Marie dirigiu-se para a estação de comboios. Mas quando o comboio chegou, a Callie não estava lá. A Marie pensou imediatamente que havia adormecido e perdido o comboio e decidiu esperar pelo seguinte. Mas a Callie também não se encontrava neste, nem no que viria a seguir... A noite acabou por cair sobre o Calamari County sem que houvesse sinais dela.

A Marie contactou o local de trabalho da Callie e a sua gerente disse-lhe que depois de sair, na noite anterior, a Callie tinha ido diretamente para casa. "Parecia um pouco perturbada, mas achei que estaria apenas com pressa para arranjar as coisas para a viagem", acrescentou.

Na manhã seguinte, a Marie decidiu encurtar a sua visita e regressar à Inkopolis no primeiro comboio do dia. Não lhe agradava a ideia de deixar os seus pais tão subitamente, mas, por outro lado, não conseguia deixar de pensar na Callie. Assolada por uma sensação de inquietação, passou a viagem toda ao telefone à procura de alguma pista sobre o paradeiro da Callie. Mas os seus esforços seriam em vão e ela permaneceria desassossegada.

Quando chegou à Inkopolis, a Marie dirigiu-se imediatamente para o seu apartamento e viu que estava exatamente como o deixara. Na verdade, nada parecia indicar que a Callie tinha estado em casa sequer desde que a Marie partira. Mas se não havia ido a casa, onde poderia estar? Depois de refletir um pouco, a Marie teve uma ideia e saiu a correr.

Capítulo 7

Depois de sair do seu apartamento, a Marie apressou-se para chegar ao Octo Valley e reparou que a barraca do Cap'n Cuttlefish estava completamente deserta. A barraca em si permanecia na mesma, mas o globo de neve que se encontrava sempre junto dela estava totalmente estilhaçado, com pedaços de vidro espalhados pelo cenário. Não havia sinais da Callie nem quaisquer indícios do seu paradeiro. Desanimada com a situação, a Marie regressou à Inkopolis.

Na cidade só se falava da mais recente notícia: o Great Zapfish tinha desaparecido! Já se havia evaporado antes, mas reaparecia sempre pouco tempo depois, pelo que os habitantes da cidade tentavam consolar-se com a ideia de que desta vez não seria diferente. A Marie tremia só ao pensar... "Será que voltou a acontecer?".

A Marie decidiu investigar. Mas se o seu adversário era realmente quem ela suspeitava, este problema não seria resolvido tão cedo nem de forma fácil. Ainda por cima, desta vez não podia contar com a ajuda do Cap'n Cuttlefish. A sua preocupação com a Callie estava a intensificar-se e não tardaria até que todos os habitantes da Inkopolis começassem a dar pela ausência da Callie. Se, a juntar a isso, a Marie também desaparecesse, o caos instalar-se-ia. Mas que mais poderia ela fazer?

Não tinha escolha senão procurar ajuda...e rapidamente! Tal como o Cap'n Cuttlefish havia feito antes, ela teria de recrutar alguém para a ajudar a investigar as profundezas da base subterrânea dos Octarians. Graças à sua fama, porém, a Marie destacava-se na Inkopolis e tinha de esforçar-se por evitar que as notícias de uma nova ameaça dos Octarians se espalhassem. O sigilo e a discrição eram, afinal, da máxima importância no que dizia respeito às operações da Squidbeak Splatoon.

De repente lembrou-se da conversa que havia tido com a Callie no centro comercial Arowana. Constava que havia cada vez mais Inklings a participar em combates pela conquista de território numa nova parte da cidade. Ela iria, certamente, encontrar alguém que apresentasse a combinação perfeita de talento e coragem que a tarefa em mãos exigia. Determinada a fazê-lo, a Marie dirigiu-se para o novo centro da cultura jovem Inkling: a praça Inkopolis.

A história continua em Splatoon 2...